APARECIDA DE GOIÂNIA VIVE ENORME RETROCESSO NO GOVERNO DE GUSTAVO MENDANHA

Um estudo publicado pela Federação das Indústrias do Estado do Rio de Janeiro – FIRJAN sobre a Gestão Fiscal em todos os municípios brasileiros traz revelações negativas para Aparecida, entre elas a de que os investimentos da prefeitura despencaram desde que Maguito Vilela entregou o cargo ao seu sucessor, em janeiro de 2017.

A falta de investimentos em Aparecida é tão grave que afetou o desempenho global do município no ranking da FIRJAN, considerado como uma pesquisa criteriosa e de elevada credibilidade no país, denominado como Índice FIRJAN de Gestão Fiscal. Em 2019 Gustavo Mendanha ainda desfrutava do legado de Maguito Vilela frente a gestão da cidade, e por isso conseguiu se segurar na 26ª posição do ranking. Mas, de um ano para o outro, caiu 223 posições.

A nota também demonstra forte queda no índice quando a cidade é comparada somente com cidades goianas. Em 2019 a cidade estava em 3º no ranking estadual. Acabou caindo para 8º em 2020.

Com base em dados oficiais, o IFGF analisa as contas das cidades brasileiras por meio de quatro indicadores, que incluem autonomia e gastos com folha de pagamento. Os problemas de Aparecida de Goiânia se destacam no quesito “investimento”. Quando se avalia a situação dos investimentos da cidade, conforme a pesquisa, Aparecida de Goiânia está na condição amarela, que a coloca como sendo de “dificuldade”. Isso, desde a posse de Mendanha, em 2017.

O levantamento que avalia a saúde financeira das prefeituras mostra que nos últimos anos o volume de recursos aplicados na cidade caiu de forma assustadora. Nacionalmente, Aparecida ocupava a 15ª posição no balanço da FIRJAN, em 2016, mas, depois que Mendanha assumiu em 2017, caiu para o 249º lugar em 2020, ano a que se referem os últimos números. Esse dado demonstra o contraste entre a gestão de Maguito Vilela e de seu sucessor, Gustavo Mendanha, com desvantagem gritante para esse último.

A queda nos investimentos da prefeitura tem a ver com a falta de identidade ou de uma marca para a administração de Mendanha, que, perto de completar cinco anos, ainda não tem uma única obra de expressão para apresentar. O prefeito também não cumpriu a maioria das promessas que fez nas suas duas campanhas eleitorais, conforme os planos de governo que registrou no Tribunal Regional Eleitoral.

Não à toa, há poucos dias, durante um evento em Aparecida, acompanhando o governador Ronaldo Caiado na entrega de benefícios para a população, o presidente estadual do MDB e filho e herdeiro político de Maguito Vilela anunciou que vai focar, a partir de agora, em mostrar o legado do seu pai para o município.

A ideia é mostrar quem fez as coisas em Aparecida. Todas as obras são das gestões de Maguito. Quem mudou a cara da cidade foi ele e não o Gustavo”, afirmou o emedebista. Seguindo este caminho, Daniel Vilela, que será candidato a vice-governador na chapa da reeleição de Caiado, pretende fazer uma série de vídeos para mostrar as obras do ex-prefeito e “chamar a população aparecidense a uma reflexão”.

O levantamento da FIRJAN confirma essa visão de Daniel Vilela sobre o desenvolvimento de Aparecida e a estagnação que o município passou a experimentar depois da ascensão de Mendanha ao poder. O levantamento da FIRJAN também demonstra forte queda da prefeitura de Aparecida no IFGF quando a comparação se dá somente com cidades goianas. Em 2019 o município estava em 3º no ranking estadual. Acabou caindo para 8º em 2020. Um fato interessante que o IFGF revela é que municípios que estão hoje em situação similar a Aparecida foram recebidos pelos atuais prefeitos dentro de um cenário de dificuldades, com salários do funcionalismo atrasados, desorganização administrativa, maquinário com defeito e uma série de barreiras para o desenvolvimento com equilíbrio.

Esse, entretanto, não foi o quadro em Aparecida: Maguito entregou a prefeitura para Mendanha com as contas em dia e um bom de crescimento econômico como nunca se viu antes, capaz de acelerar a expansão do seu PIB. A partir de 2017, essa onda entrou em declínio, grandes empresas deixaram de vir, a arrecadação perdeu o ritmo e o resultado é o que a FIRJAN constatou: queda nos investimentos, com evidentes prejuízos para a população, hoje acossada pelo desemprego e pela falta de solução de carências como a inexistência de vagas nos CMEIs para todas as crianças em idade de receber a Educação Infantil e a poeira e a lama que acometem os moradores dos bairros sem asfalto.

Nas redes sociais, um internauta de Aparecida, Marcos Barbosa, comentou: “Estamos vendo isso no dia a dia. A cidade está descuidada. É muito marketing e pouca gestão”. Em poucas palavras, disse tudo.

 

GREVE DE FUNCIONÁRIOS NO HOSPITAL MUNICIPAL DE APARECIDA DE GOIÂNIA

Funcionários da limpeza e manutenção que atuam no Hospital Municipal de Aparecida de Goiânia (Hmap) deflagraram uma greve nesta quinta-feira (18). Os trabalhadores, que são terceirizados na unidade hospitalar, alegam salários atrasados como justificativa para ação.

Em vídeo que circula na internet, um dos funcionários afirma que os salários dos colaboradores que atuam na limpeza e manutenção do hospital estão atrasados há mais de uma semana e que apenas metade do pagamento foi depositado.

O presidente do Sindicato dos Trabalhadores do Sistema Único de Saúde no Estado de Goiás (Sindsaúde/GO), Ricardo Manzi, criticou o modelo de gestão no qual os trabalhadores atuam, se referindo à terceirização, processo esse que “acaba resultando nesse tipo de situação”, se referindo aos salários atrasados e à consequente greve.

Ainda segundo Manzi, membros do Sindsaúde estarão no Hmap na próxima segunda-feira (22), para se inteirar da situação e prestar o apoio necessário aos funcionários.

O que diz o Hmap sobre a greve

Em nota enviada, o Hmap declarou que repassou à empresa prestadora de serviços o valor de R$ 300 mil na última semana, referente à fatura de outubro, mas que apesar dos esforços do hospital junto à empresa, “houve movimentação de forma política com os colaboradores da empresa prejudicando a normal prestação de serviços.

Veja a nota abaixo:

 

“NOTA OFICIAL

O Hospital Municipal de Aparecida de Goiânia (HMAP) informa oficialmente o seguinte:

– O HMAP repassou para a empresa prestadora de serviços da área de limpeza e conservação na última semana no valor de R$ 300.000,00 referentes à fatura do mês de outubro e isso foi proporcional como foi proporcional o repasse dos recursos públicos recebidos;

– A direção envidou esforços junto à empresa visando a normalização dos serviços, porém de forma intransigente houve movimentação de forma política com os colaboradores da empresa prejudicando a normal prestação de serviços;

– Funcionários da empresa em questão percorreram banheiros na unidade, principalmente na área administrativa, praticando atos de vandalismo e espalhando sujeiras com o claro intuito de constranger demais colaboradores que não têm qualquer relação com o fato. Tudo isso está registrado por câmeras de segurança e serão apresentados em juízo visando responsabilizar civil e criminalmente os responsáveis que agiram usando o uniforme da empresa;

– A direção respeita o direito de protesto pelo atraso nos pagamentos e repasses, porém exorta todos a protegerem o patrimônio público e a normal prestação de serviços para pacientes, acompanhantes e demais colaboradores.”

 

RUAS INUNDADAS EM APARECIDA DE GOIÂNIA 

Não bastasse todo o descaso que está sendo vivido pelos moradores da cidade de Aparecida de Goiânia, as pessoas estão tendo que lidar com ruas totalmente alagadas e cobertas por lama (VEJA NO VÍDEO ABAIXO) durante o período de chuvas, o que vem impossibilitando a locomoção, dificultando cada vez mais a vida do povo; o que é mais uma prova da incompetência e retrocesso do governo de Gustavo Mendanha. Enquanto Aparecida de Goiânia está largada as traças, o prefeito está na Espanha, fazendo sabe lá o quê. Deixando claro mais uma vez que seu governo não passa de puro marketing e zero trabalho. Gustavo Mendanha provavelmente será candidato ao governo de Goiás em 2022, não satisfeito com o retrocesso de Aparecida de Goiânia, ele buscará retroceder o Estado.  

VEJA O VÍDEO: