A Polícia Civil cumpre sete mandados de prisão e 29 de busca e apreensão em sete municípios goianos em investigação de suposto esquema criminoso criado para sonegar ICMS devido ao Estado de Goiás por meio da pela venda de grãos, principalmente milho e soja.

Segundo a corporação, as vendas eram feitas para outros estados por meio de empresas de fachada criadas em nomes de laranjas para dissimular os verdadeiros responsáveis pelo pagamento do tributo.

O valor atualizado de sonegação de ICMS a Goiás destas empresas já passa dos R$ 100 milhões.

Investigações encontraram sonegação de ICMS

As investigações tiveram início com o trabalho de auditores fiscais da Gerência de Arrecadação e Fiscalização e Coordenação do Agronegócio da Economia, que encontraram indícios da fraude e solicitaram intervenção policial.

Os principais desvios de ICMS foram com venda de milho (R$ 27 milhões em ICMS), soja (R$ 19 milhões), sorgo (R$ 3 milhões), milheto (R$ 338 mil) e feijão (R$ 187 mil). Ao todo, a investigação identificou R$ 50,6 milhões em ICMS originalmente suprimido, em 285 mil toneladas de grãos.

Mandados

Os mandados são cumpridos em Goiânia, Luziânia, Senador Canedo, Aparecida de Goiânia, Nerópolis, Itumbiara, Cachoeira Dourada, Cuiabá-MT, Brasilândia-MT, Xinguara-PA, Conceição do Araguaia-PA, Marabá-PA, Santa Rosa do Tocantins-TO e no Distrito Federal.

Os investigados tiveram R$ 60 milhões bloqueados de contas bancárias.