Esquema consistia na emissão de notas fiscais em nome do Fundo Municipal de Saúde que eram supostamente pagas em duplicidade pelos cofres públicos.

Ministério Público cumpriu seis mandados de busca e apreensão e dois mandados de prisão contra o ex-secretário de saúde de Formosa, Tibério Fábio, e o empresário Francisco Carlos Soares. Ambos são suspeitos de participarem de esquema de fraudes de R$ 3,5 milhões em fraudes ligadas à aquisição de medicamentos.

Ambos tiveram prisão temporária decretada por supostas fraudes ocorridas entre os anos de 2017 e 2019. O esquema, segundo o MP, consistia na emissão de notas fiscais em nome do Fundo Municipal de Saúde que eram pagas em duplicidade pelos cofres públicos, através da empresa e envolvimento do ex-secretário.

O Ministério Público ainda identificou pagamentos de notas fiscais referentes a supostos fornecimentos de medicamentos sem a observância do devido  processo de pagamento. O órgão também constatou uma ordem de privilégio determinada pelo então secretário de saúde que, supostamente, favorecia as empresas por ele escolhidas, dentre estas a Pró-Saúde, em detrimento das demais.

MP: empresa encobria contas irregulares enviadas para o TCM

As investigações conduzidas pelos promotores Douglas Chegury e Ramiro Carpenedo ainda identificaram encobrimento das contas irregulares e das informações encaminhadas ao Tribunal de Contas dos Municípios (TCM/GO). Dados eram, segundo as apurações, enviados via sistema eletrônico para ocultar as ilegalidades.

Esse procedimento de “maquiagem” era realizado com a supervisão, orientação e apoio da empresa de contabilidade JBV, contratada sem licitação, e que também foi alvo de busca e apreensão. Estabelecimento tem sede em Goiânia, com sede em Formosa.