Movimentação ocorre em meio à alta de 9% no valor do diesel e 7% no preço da gasolina

Caminhoneiros de Goiás esperam a realização de uma reunião para definir se vão aderir à paralisação da categoria no dia 1º de novembro. O encontro está previsto para a próxima quinta-feira (28), em Brasília. Profissionais, que já estavam insatisfeitos, foram surpreendidos com o reajuste de 9% no preço do diesel, anunciado na segunda-feira (25).

O diretor do Sindicato dos Transportadores Autônomos de Cargas (Sinditac-GO), Jaci Souza, disse que a reunião será realizada com representantes de diversos estados. A categoria tenta negociação com o Governo Federal. A paralisação é tida como certa caso não haja acordo.

Segundo Jaci, os caminhoneiros já esperavam, mas que encararam o aumento com desaprovação. “Estamos com o ‘couro amaciado’. Vivemos na expectativa de aumento sempre. Dessa vez a alta foi muito forte. No ano, o aumento já é de 60%”, afirmou.

Sobre o auxílio-diesel de R$ 400 mensal, o diretor do Sinditac disse que é uma proposta fraca. “Esse auxílio só pode ser brincadeira! R$ 400 não dá nem 100 litros de diesel. Não é esse o caminho”, disse.

Reajuste do diesel e gasolina pode levar à paralisação dos caminhoneiros

Na segunda-feira (25), a Petrobras anunciou mais um reajuste no preço do diesel e da gasolina. O primeiro sofreu alta de 9% e o segundo de 7%.Segundo a estatal, os aumentos refletem a elevação das cotações internacionais do petróleo e da taxa de câmbio.

Nesta terça (26), o litro de gasolina vendido pelas refinarias da Petrobras custará R$ 3,19, ou R$ 0,21 acima do vigente atualmente. Já o litro do diesel sairá por R$ 3,34, alta de R$ 0,28. É o segundo reajuste dos dois produtos em menos de um mês.